insónia a horas do incógnito


Horas de ir dormir, num dia qualquer…
Pareço estar cansado e vai saber tão bem… humm…
É aqui, onde? Depende, do espaço ou do tempo. Será sempre onde eu quiser mas para estar escrito é relativo, um desabafo não precisa de ser completamente honesto, mas também não vale mentir, serve apenas para aliviar a pressão e ter alguém que entenda o nosso ponto de vista mesmo sem saber todos os pormenores! Nem é necessário que entendas tudo o que digo!
Com ela a trabalhar sem parar e com fumo a sair, ás vezes faz tilt, e penso mas porquê? Eu sei porquê, mas faço de conta que está tudo normal, mais um dia que passou e amanhã mais uma aventura. Mas custa dormir com tanta coisa por pensar, será insónias!? É possível, mas não sou médico nem sei fazer triagem de mim próprio.
Olha, estou a ver-me no tecto, pareço flutuar fora de mim como se de uma alma falasse. Mas estou parado, quieto e cansado, pareço transpirar e estou a tremer dos membros inferiores, devo estar doente ou coisa de género… mas o meu reflexo parece espelho de motel, daqueles misteriosos em que muita coisa acontece e poucos são os que sabem, de estilo clássico e imagens repetidas, fico deslumbrado com o néon vermelho que ilumina toda a divisão como cor de fundo em cenário paradisíaco. Mistério, lembra as histórias de Sintra, do castelo ao palácio, passando pela velha e nova Sintra e em todo o redor da serra, histórias que na passa palavras vão se perdendo, outrora aumentavam o conteúdo com monstros, fantasmas e príncipes encantados, histórias de amor e traição, histórias de batalhas e túneis infinitos no tempo. Em meu redor agita-se a imagem, de mim ou de alguém que se mexeu talvez, do meu conhecimento do mar sei como reage a água, muitas horas a observar a ondulação á espera da onda perfeita, sei que isso não existe mas eu espero sempre dentro das possibilidade que Deus me deu.
Será que já estou a dormir? Se calhar não e muda o cenário.
Contas, contas e contas, conto eu, 1 2 3 e agora contas tu, 1 2 3 4 5, contas sempre mais que eu. São histórias para contar de quem estudou mais, para quem precisou de mais anos para se formar mas que se esqueceu que apenas a viver é que se cresce. Eu também estudei alguma coisa mas vivi bem mais que muitos, continuo a estudar agora e sempre irei estudar até morrer, aprender e ensinar seria o que deveríamos fazer até àquela hora e é o fazemos mesmo sem nos apercebermos! Mas as minhas contas não chegam para colmatar a minha divida de vida, paga mas logo fico a dever, é um ritual que sigo religiosamente há alguns anos, estes anos de prestige…
Ah ah ah…. Prestige… ah ah ah … Frost yourself…
Humm, ainda acordado, começo a ficar fudido!
Mas e onde é que eu ia? Ah, já sei, contas milagrosas de serem pagas… E o que vou fazer amanhã para o almoço? Vou pagar o registo, pago o selo e vou fazer a revisão ao carro, assino 6 vezes em nome de outros e vou comer no Odivelas parque para passar tempo… isto tudo poderia ser feito amanhã e já não o tivesse feito ontem, quase tudo feito ontem! Ai mãe, desta vez nem os abonos vão chegar! Por tudo isto tenho de ir embora, treinar e jogar como te disse! E aos abonos emprestados ficarei a dever, dinheiro e amor não se encaixam mas na minha vida já os vi afastarem e unir pessoas. Como o elástico que estica mas também encolhe, o importante é não partir, digo eu!
Abro a boca em sinal de sono e sempre de olhos fechados na escuridão penso no dia, o dia em que algo aconteceu ou irá acontecer, muitas vezes tento imaginar sensações, tento sentir como se estivesse a fazer algo, mas não dá! Só dá para relembrar o que aconteceu, o futuro é um assunto que neste momento não tem assunto, desculpa, não dá para imaginar nem sentir e eu ainda pioro as coisas com este jeito estranho de ser!
O meu pai veio desejar-me “boa noite”, fiquei apreensivo, ele quer falar mas a língua enrola, como a minha com uns copitos a mais, sou mesmo filho deste Senhor, mas foi a minha mãe que me ensinou a ser eu o conquistador de liberdade e espaços, sonhador de dia e noite, fé no próximo e o filho da puta quando me lixam! Este texto foi escrito no Word, o programa não reconhece a palavra puta, eu até sorri depois de escrever e de repente ficar sublinhado como importante se tratasse o que estava escrito, é importante para mim e para ti se fores o/a próximo/a.
Sem dar conta já é tarde, acho que estou a ver a luz, não é o meu glorioso estádio, a luz a entrar pela janela, já nasce o dia? Mas estou de olhos fechados… e fiquei sem assunto…
Mas falta falar do vidro do rover, do seguro incompleto, do mar que estava na Ericeira, do calor em noite de Sintra (ou já falei disto!), do fato de macaco que tenho vestido, poxa, comprei na salsa, dei 120 euros por esta coisa linda de se vestir, confortável e fácil de despir… ah ah ah… sou mesmo engraçado quando me mentalizo da realidade das coisas!
Alguém sabe quem é a lulu? Está uma gaja aqui a chamar por ela, algumas frases em francês e algumas em inglês, com asneiras á mistura… ah ah ah… lulu, lulu … who #$%&*+#”$% is lulu? Lulu, lulu… o dance power do primo Docas a bombar after hours. Yyeeehh… let’s dance… over there… shake it baby… um orgasmo de movimentos espalha-se na minha cabeça… yyyeeehhh… positive vibrations… que grande som este agora, só queria que todo o mundo o escutá-se! Yyeeehh… dadadau dadadau …
E dormir! Não? Dadadau dadadau….
Dadadau, dadadau, dadad………….
Rugir de dentes, sabes o que significa!
… dadau… dad…
Caralho pá, dói-me a cabeça, é uma borbulha de nitrotech natural mas quando me viro faz doer!
Por falar em doer, aquele psicólogo incógnito para mim já me está a fazer passar, alguma bomba vai explodir muito em breve. Ensinar professores, onde já se viu? Pá eu sei a fábula toda, mas eles que se fodam…. Uns a passar fome e outros a enriquecer á custa de ajudar outros, da tristeza e da falta de palmadas no rabo ou de nozes na cara como meu pai tão bem o fazia. Digo eu agora que sei o que é bom e mau, respeito e admiração aprendida á base de enrolar de língua! Lembras-te? Talvez falte disso ao meu irmão, gente do meu sangue, só espero que a lição não venha tarde e em fase terminal… suspiro… ou que seja eu a lhe dar aulas! Faço-lhe uma recruta com curso de fuzileiro incluído, aprende o que é dizer “firme, sentido” e as coisas ganharão o seu valor natural com a devida normalidade. Juízo pá!!!! O truque é nunca ser apanhado e eu não sou exemplo, mas as minhas palavras valem ouro.

3 criticas ou algo parecido:
-aquela série que dá na rtp1, “over there” é 5 estrelas, fantástica mesmo, tem um conjunto de emoções envolvidas que até a algumas pessoas fracas faz mal, outras soltam tears pela cara abaixo mas negam sempre se confrontadas com a pergunta própria!
-redes ao largo, ajudem este órgão de comunicação social da freguesia de S. Pedro da Cadeira, merece o respeito pelo trabalho desenvolvido, notícias, histórias, boatos ou coisas do género há muitas mas das nossas terras esquecidas existe pouco que ainda se fale, como dizia o outro, “não importa se falam bem ou mal de mim, mas falem”. Obrigado a vocês amigos.
-dia 27 não esquecer de votar, uma pessoa para poder pedir direitos também tem de cumprir obrigações e deveres, pá somos Portugueses, nunca se esqueçam disso! Se não escolheres a cabeleireira e o penteado será uma qualquer cabeleireira a fazer o que quer, depois não te queixes!
….. 15:53, vou ao casaca beber café, fumar um cigarro e pensar, apenas pensar ,com o mar reflectido nos olhos e mil e uma imagem a bater no cérebro!
Por hoje chega… (25 Setembro 2009)

Sem comentários: