Jogos Tradicionais – O Passa Passa e um fogão!

Lembram-se quando eram putos, aos domingos á tarde, nas nossas aldeias saloias, os velhotes nas suas actividades comuns e sempre na maior disposição, riam e discutiam sem nunca haver a palavra “maldade” no centro das conversas, como de uma só família se tratasse!
Jogar á malha, ao chinquilho, a todo o tipo de jogo de cartas… etc…
Era bom, sinto saudades do que presenciei pelo valor moral das condições vividas, agora são lições de vida esquecidas por alguns que teimam em se deixar levar por esgotamentos nervosos de um trânsito matinal, exemplo IC-19, como se isso fosse o fim do mundo, mas levantar meia hora mais cedo é impensável…
Muitas vezes chamei nomes a desconhecidos por manobras menos felizes, ultrapassagens perigosas, travagens repentinas, acelerações bruscas… adrenalina no máximo depois de acordar, alguns ainda sem acordar!
Mas será que sempre respeitei e nunca abusei… tenho telhados de vidro, não comento mais, vocês sabem o que fazem e eu também! Mas uma coisa posso dizer, sempre tive os meus limites bem definidos, sempre soube a minha colocação moral e para julgar apenas podem os juízes.
Este texto foi baseado em alguns pormenores vividos na minha vida, sinto como se fosse obrigação moral, há algo que me inspira todos dias, que me dá que pensar no momento que o sinto na pele. É nessa inspiração e no demasiado tempo deixado correr que me faz tocar nestas teclas e projectar letras, pontos e sinais, numa criação constante de palavras ricas e outras nem por isso!
É algo que não me orgulha, é algo que já poderia estar resolvido mas que quase no fim ficará ainda por resolver, esperemos que não meus amigos.
Chamem-me o que quiserem, eu poderei a estar a pensar algo parecido de vós também… como de um jogo de ténis de mesa se trata-se, ping pong, ping pong… não é tradicional mas na nossa comunidade é bastante utilizado, ping pong, ping pong.
Aqui começa a mensagem, quero dizer aos meus amigos que me vêem render, para trazerem um fogão, sim um fogão… vão precisar dele para muitas coisas!
Passo a dar exemplos mas nada a ver:
Sabem que os taifas da marinha têm os seus defeitos como qualquer um, mas são os nossos taifas, repetimos e repetimos as vezes que queremos, normalmente de boa qualidade e de prato cheio. “-comam aí seus porcos!” Poderá ser dito ou pensado, poderá ter uma ou várias razões para ser dito, mas a verdade é que não falta nada e tudo sai á vontade do freguês.
Em alguns sítios não, essa profissão só serve para ensinar e muito bem o faz. Mas onde quero chegar é ao facto de eu ter de ouvir: “-Não encham o prato porque pode não chegar para todos!”
Agora eu pergunto, o dinheiro que descontam para a refeição está a ser servido para por comida na mesa ou para por comida no “ármazem”?
Pessoal se trouxerem um fogão, poderão fazer uns petiscos bem jeitosos para vocês e comerem quando e o que quiserem! Humm, é boa ideia?
Prosseguindo! Nós nesta estadia ainda por acabar, passamos da casota de madeira e oficina de motores para contentor industrial do género campismo em T0. O que foi uma mudança a nível de condições uma coisa fantástica, ou não!
Querem saber a verdade? Tenho aqui um ligeiro sentimento que me faz não ter vontade de contar como são essas tais condições! Poderia ter que passar 6 meses numa tenda? Sim teria e fazia-o! Poderia ter que comer rações de combate durante 6 meses? Sim teria e fazia-o! Mas do meu país é me dada a possibilidade de não ter que fazer tais situações? Parece que sim!
Então porquê, a razão, de não estar a ter aquelas condições a que tenho direito?
Faço a pergunta ao bom senso e espero que me responda rapidamente.
Tenho uma lista de situações, está escrita mas vou mandar pró lixo porque neste caso a esperança morreu de velha, assim não tenho de baixar a cabeça com factos menos felizes!
Claro que já sabem como sou, nada fica pelo não dito nem nada fica dito… kkkkkk…
Então vou apelar á vossa imaginação, algo a puxar pró porco ou menos eficaz!
Imaginem mais de 40 homens, imaginem um tacho de água aquecida, agora imaginem esses mesmos homens a trabalhar e a fazer desporto, seguidamente vão querer tomar um duche e o que acontece? Apenas existe um tacho de água aquecida para todos eles…
Possibilidades:
1ª- Andam a correr para ver quem toma primeiro o seu duche e alguns apanham apenas a água fria.
2ª- Alguns cortam-se ao duche e preferem andar sujos até a água voltar a aquecer.
3ª-Uns esticam-se a gastar a água quente e depois há chatice entre eles.
4ª-Quando já não há água quente, vão tomar o duche a outros sítios que não são os deles.
5ª-Há quem pense em comprar um fogão para estar sempre a aquecer a água.
6ª- Há quem reclame e nada se faz, depois resolve escrever sobre jogos tradicionais.
Épah, mas o que é que isto tem a ver com os jogos tradicionais?
Resposta: Era um jogo feito na escola primária, lembram, quando se dizia baixinho uma frase ao colega e ia passando de boca em boca até chegar ao último elemento? Depois esse mesmo elemento tinha de repetir em voz alta o que ouviu! Era como um jogo, era o “passa passa”!
Aqui acontece o mesmo e com o mesmo resultado do tempo de escola…
Então resolvi passar a mensagem para a direita, porque na esquerda chegará sempre filtrada no fim, ou então nem chega!
Amigos que vêem nos render, vocês são a minha direita, façam o que vos disse, façam aquilo de trazer o fogão, porque eu estou a jogar ao “passa passa”!
Isto foi só uma fatia, preparem-se para comer o bolo!
E eu vou continuar a acreditar num mundo melhor para todos, nem que demore muitos anos, mas um dia será um mundo melhor!
Porque se eu vos dissesse para imaginarem, vós próprios a fazer “as tais cenas” no wc e depois vos dissesse para puxar o botão do “corre água”… teriam de fugir, porque não estou a falar do chuveiro, mas tomam banho na mesma! Ah ah ah ah… eu sei é triste mas… ah ah ah… nem o fogão vos servia!
Assim de repente, tenho dito.
Estou cansado de mais, até para ganhar no ping pong… =(


Sem comentários: