Portagens da A8

Diz as regras que quando se paga, temos direito ao serviço completo. Com base nesta regra, eu que faço imensas vezes o percurso da auto-estrada numero 8 deveria ter as condições de uma auto-estrada, mas dou por mim muitas vezes a conduzir a 30 quilómetros/hora, até parado estive diversas vezes! Agora vão consultar o código da estrada e repararem no que diz sobre este tipo de situação!
Pago um serviço e não usufruo dele… eu e mais alguns milhares de pessoas que diariamente fazem o percurso.
Será que apenas eu vejo isso?
Onde andam os senhores dos ordenados gigantes que lutam pelos direitos do povo?



Comportamento estranho

Numa fase bastante apertada, quando a esperança é pouca e o orgulho não basta para andar feliz, é quando se destacam os lutadores por natureza. Aparecem do meio da multidão e sem pedir licença avançam sem medo.
Tem sido assim, orgulhosos do que somos e do que somos capaz de fazer, bravuras de exemplo escorrem no sangue aquando nos é missão dada.
Já fiz aqui críticas a gente de ombros pesados, boas e más críticas, algumas severas e outras construtivas, a verdade é que vou continuar a fazer, por dentro ou por fora. Quero relembrar o ditado que “…uma vez, … para sempre”.
Popas: “- Como a malta anda cá para outros poderem andar por lá, vamos lá inventar mais um dia para por estes gajos a trabalhar!
Inventa-se um dia que seja remunerativo, faz-se uns almoços e pede-se dinheiro à malta! Ganhamos nós e outros, ficamos de forma geral todos contentes… O importante é os velhos do Restelo andarem de barriga inchada, falam menos de boca cheia e com o tempo da digestão ainda podemos nós desfrutar de algumas regalias.”
Apesar de eu saber como tudo funciona, gosto sempre que me dêem palmadinhas nas costas! Algumas palavras de conforto e uns prémios de recompensa… sou quase como eles, porque eu sou dos que “mamam a bucha” e eles “mamam o bolo”.
O tal dia que foi inventado o ano passado, foi um sucesso. O dia neste ano, ainda mais o foi… sucessos atrás de sucessos, nem sei como é possível ainda jogarmos na 3ª divisão!
No ano passado não tive a privilégio de lá estar, mas este ano vivi bem aquilo, fogo fantástico!
Comecei logo bem, ouvi histórias da maternidade que me afugentaram logo a vontade de passar por aquela unidade…
Mas estranho mesmo, foi o facto de ter levado com aulas de história do meu querido Portugal quando estava impedido de me mexer, ao sol e a destilar à horas! Epah, não poderiam ter feito aquilo à sombra de uma árvore?
Mas logo depois, foi para meu espanto o ponto alto do dia, o grande Popas subiu ao céu na minha consideração! Até parecia que já me tinha lido o blog, ou ele ou algum “engraxador”, desculpem a expressão, eu queria dizer conselheiro!
Deitou para fora algumas palavras fortes de quem parecia ter uma boina azul (e tem mas não é ferrete), simplesmente falou directo, objectivo como se falasse apenas para mim, disse o ponto em que estamos, usando todas as letras, valorizou quem cá anda e ainda fez lembrar que quem sai é porque não merece cá andar!
Tufa, vai buscar… Pensei eu!

Chocolates que fazem doer o C$!

Estava eu, num lindo dia de sol, sentado num banco de jardim mas sem jardim, numa aldeia conhecida por aqueles que não gostam muito de estar de pé, a ler uma revista desportiva de seu nome Vert.
Procurava por imagens de alguns spots menos conhecidos que se encontram em toda a sua extensão da EN247, passava página atrás de página, a ler por alto, quase de boca aberto para a beleza do que via, quando dou por mim a ler algo sobre chocolates! "Porquê chocolates?" pensei eu!
Já que despertou a atenção, vou-me submeter às calorias e vou ler a noticia.
Não é fácil estar tanto tempo fora e entrar no ritmo do mar como se de lá não estivesse saído. Mesmo com as tecnologias de hoje, a rede internacional e o telefone, acabamos sempre por deixar escapar algo e como ninguém se dá ao trabalho de informar, ficamos apenas por não saber!
O tema era sobre uma conhecida marca de chocolates que num slogan utilizava a seguinte frase: "When I'm hungry, i boogie board", o que parece algo interessante. A fome de ondas pode ser uma forma de demonstrar necessidade de querer mais ondas, mais adrenalina e prazer, mas calma, esta frase continha um desenho publicitário antes com uma outra frase, "You're not you when you're hungry", qual é cara? Você quer fod$ comigo? (em tom brasileiro)
Criou-se uma revolta mundial sobre  o tema, até foram criados grupos no facebook contra essa tal marca, a SNICKERS, um produto fabricado pela empresa MARS.
Muitos são os que desvalorizaram o tema e muitos são os que deixaram de consumir produtos dessa empresa, mas como este blog é meu, também quero deixar aqui a minha opinião, não sou guloso mas gosto de um docinho de vez em quando, os snikers estavam no topo das minhas preferências mas agora deixaram de estar, prefiro ir ao Lidl e comprar marcas da concorrência ou algo parecido...
A mim é que não me #$%#& por trás, como bodyboarder que sou, tenho o meu orgulho, e aqui fica a dica para lembrar que o povo ainda manda muita coisa, pensem antes de lançar para o ar algo que possa afectar outros!
Mas quero deixar claro que a Mars fez um pedido de desculpas, a razão principal não sei mas o mercado tem muitos segredos ainda por desvendar!
Aproveitem a vida meus amigos.
Fiquem com esta imagem magnifica do poder do bodyboard, hhiiiiiiirrrraaaaaaahhhhhhhh...