A selva (urbana)

A selva, tema do Carnaval de Torres Vedras, do ano 2011.
Desde então, derivado ou não ao êxito daquela temporada festiva, tornou-se moda a lei do mais forte. Todo o animal que há em nós despertou.
A selva urbana, sem regras, sem valores e com perigo eminente, assim é o estado das nossas ruas... a corrupção cruza esquinas como se de vento falássemos.
Grandes lideres colocam a mão onde querem e a resposta é inerte, só Ele vê mas também deve estar "ocupado"...
O Otelo fala de revolução, esqueceu-se da falhada ou então lembra-se bem, favorecimentos à parte e descongelem os amigos, a família é grande mas não é a mesma que a minha.
-Sabes muito camarada! O teu lado esquerdo comeu o direito num dia de Abril e já estás com fome?
Usando verdades todos tapam os olhos de quem quer ver, talvez a estratégia fosse ver onde anda a mentira, mas é tão grande que só iria dar positivo.
A selva tem anos, árvores gigantes e fortificadas gerem o terreno conforme a chuva lhes molha as folhas e a erva, já quase seca, é comida por animais ferozes em ataques directos, repetidamente e repetidamente até ... até o quê?
Até a ultima coisa a morrer já tem os dias contados... esperança meus amigos. Mas paguem as propinas que o leão é quem manda. (velho de merda)
Contudo, o tema do Carnaval que se aproxima é o "fim da crise" e ... upsss desculpem, isso foi o que disse o outro mas não quis bem dizer isso, era outra merda que eu entendi como a "continuação da crise", qualquer coisa como "o inicio do fim da crise" !!! Inicio do fim, talvez, talvez...
Carnaval 2012, tema o Desporto, agora é que vai ser correr, transpirar, desviar, pular, fugir... e outros verbos que só de pensar neles me dá vómitos.
A minha sorte é ser atleta desde puto... vou curtir o Carnaval como não o faço à anos! Aproveitei a selva para lá deixa-la. Deixei muito mas ganhei mais, nesta matemática politica o importante é ser bom para quem decide as regras.
S.Pedro rega agora com força e deixa ser eu a regar bem no entrudo...
RRRRRRHHHH...

COD modern warfare 3

Aí está ele....
Primeiras horas agarrado e as primeiras impressões do multiplayer...
*Jogabilidade excelente, mas a perder o salto e deitar no chão do black ops, o que me deixa com alguma pena porque era bastante divertido rever umas killcams em pleno voo e com zero de pontaria, sorte pura de quem ousava fazê-lo.
*Armas, boa diversidade e um bom encaixe de equipamentos, dando novas opções de capacidade. Tanto na capacidade de observação como de conseguir segurar o efeito recuo da arma.
*killstreaks e Perks com diferença mas a melhorar, no meu ponto de vista porque consegue-se fazer classes de soldado com capacidades bem diferentes mas sem haver uma desigualdade enorme de jogador para jogador. Óptima é a capacidade de ter as killstreaks próprias para cada classe, e mudando de classe a meio do jogo ter a diferença de killstreaks de ataque ou defensivas!
Também com a opção de escolher a killstreak a utilizar depois de ter alcançado a 2ª e 3ª... sem ter de utilizar sempre a ultima ganha! Super táctico, excelente para jogos de party vs party com jogadores experientes e com objectivo de equipa\jogo.
E com novas opções de killstreak e perks ... :) boa.
*Cenários e circunstancias, parecem de boa qualidade, mas fico à espera de cenários maiores... mas neste ponto tenho a sublinhar o aspecto do sniper, em que normalmente só jogadores experientes usavam em qualquer tipo de cenário, aqui é notória uma facilidade de atingir alguém com um tiro\sniper. O que no black ops notava-se muita dificuldade em fazer um tiro\mira em simultâneo a média distância.
*Um aspecto que tenho a referir é que de jogo para jogo, muitas diferenças e significativas houve. Neste caso, o modo multiplayer teve as suas alterações mas nada de bombástico que faça alguns viciados chorarem de alegria.
O melhor é jogar e cada um tirar as próprias conclusões .... entretanto será o que farei (MAIS) para apurar a minha opinião.... lol... experimentar o modo campanha e etc....
BONS JOGOS (se não jogarem contra mim, claro...)

Soberania Europeia, para quem?

Quando a globalização enche o bolso dos que governam, politica ou economicamente, tudo o resto vale pouco.
O valor da minha Pátria será sempre maior para mim do que uma Europa de ricos e pobre, onde a única luta é repreender quem falha nas regras da austeridade.
A Pátria é soberana, o povo português é a sua constituição.
A vós defendo sem limites, não outra constituição, não outras pessoas, não outros objectivos, muito menos instituições bancárias desprezadoras do bem estar daqueles que sempre lutaram por um país melhor, pelo bem de todos.
Neste video, a sinceridade do deputado está em cada palavra do que diz, mesmo politicamente correcto evidencia bem o estado da coisa.

This time. Smoking payrolls.

Chuva com força.
O Outono estava tímido mas veio! Trouxe o inverno com ele para não vir sozinho.
Desejei-lhe os parabéns como não o fez a mim, mas não me importo com isso, eu sou eu ...
Já basta a água que cai do céu, então deixemos nós portugueses de ser tão chorões e agir mais se fazem favor!
Lá no país de Hércules já andam a mudar cargos militares... Chiça a Europa anda com medo de alguma coisa! Anda tudo de rabo apertado, alguns .... alguns... porque outros... bem, a sexualidade de cada um não é para aqui chamada!
É só pagamentos a aumentar e cortes nas receitas.
Olha, está aqui um belo momento para deixar de fumar...
Mas sabias, pensava-se antigamente que pelo fumo do tabaco, podia-se entrar em contacto com espíritos e fazer adivinhas. Empregava-se também a planta para curar feridas, dores de estômago e outras doenças. O produto poderia ser comido, bebido em infusão, mascado e fumado. Encantado com a planta, Luís de Góes que veio do Brasil com Martin Afonso de Sousa em 1530, trouxe para Portugal as primeiras quantidades.
Na França, o sucesso do fumo começou depois que Jean Nicot, embaixador francês em Lisboa , presenteou sua rainha, Catarina de Médici, com certa quantidade do produto. Quando ela passou a atribuir ao tabaco a cura das suas enxaquecas, o consumo do produto tornou-se comum na alta sociedade francesa e caiu no gosto da população.
Ora, está aí uma bela merda de serviço publico... mas que vale muito dinheiro ao estado! Sim, aquele que nos cobra impostos de duas maneiras, por tudo e por nada!