o fim

...chegou a hora de mudar algumas coisas, uma dela é o rumo deste blogue, o fim da sua continuidade.
Quando vemos algumas situações alterarem objectivos, emprego e vida pessoal, ao qual não consegues ou não queres que preencha mais do que é devido, pensas e pensas bastante.
Tiramos conclusões, certas ou erradas mas que nos fazem tomar decisões.
O sentido paterno também cresceu, alimentado pelo seu aspecto físico, ao qual pela primeira vez falando me dá uma felicidade extra.
As histórias ficarão para sempre ligadas, continuando a crescer em numero, nesta vida que decidi levar e observar do meio.
Posso dizer que cresci com isto, aprendi situações boas e más, algumas até constrangedoras! Senti pressão e alivio em determinadas alturas em que vocês como testemunhas puderam partilhar o mesmo sentimento.
Espero que vivam este mesmo sentimento comigo, que continuem perto e eu de vós. Para quando a necessidade apertar, ali estaremos novamente.
Vocês sabem onde me encontrar e como o fazer... obrigado.

Pessoas, um momento no comboio

Ouvi esta história num programa de televisão... um mágico...
Não recordo as palavras, mas a intenção dele entrou na minha cabeça, porque é algo com que me identifique.

Era uma vez...
Um senhor de certa idade, barba grande sinonimo de vida longa, homem honesto e de vida difícil, trabalhador e merecedor do seu descanso  que vinha de comboio numa carruagem vazia.
Depois de uma jornada de trabalho difícil  a única coisa que ele queria era aproveitar a viagem para poder descansar e ali estava ele, calmamente a ler o seu jornal.
Numa paragem entrou outro senhor com dois rapazinhos, ele de ar não muito preocupado com a sua aparência e eles com uma energia inesgotável. Sentaram-se mais atrás mas logo as crianças se lançaram ao chão, a brincar, com gritos enérgicos e ali rolavam como piões!
A certa altura, já com falta de concentração, o idoso baixa o jornal e repara no aparente pai daquelas crianças que sem demonstrar muita atenção, ignora toda aquela algazarra!
Decide dirigir-se a ele e diz:
-O senhor desculpe, mas já reparou na gritaria que as suas crianças estão a fazer, você não lhes tem nada a dizer?
E responde o pai:
-O que se pode dizer a duas crianças que acabaram de perder a mãe?

Video Afeganistão

Depois de ter visto o video, verifiquei que muitos duvidavam da sua autenticidade.
Apurei alguns elementos como prova e dado ao meu conhecimento sobre a matéria digo ser um video de acção pura, realidade...
Carregador com munição real.

Disparos com saída de fogo pelo cano.
Impactos inimigos perto dele que se verificam reais dado ao levantamento de poeiras.
As únicas duvidas são o enquadramento táctico, porque está ele numa posição tão exposta?
Parece-me que está a fazer fogo de cobertura a camaradas que caíram numa posição pior, garantindo uma retirada.
Mas no terreno acontecem muitas coisas, algumas difíceis de explicar à opinião publica, por isso deixo à vossa imaginação!
o video: