Retro

Estava eu a falar com letras, batimentos de plástico, mais um e menos um quando dou por mim a olhar para mim.
Num espelho de plástico, de letras faladas oportunas do momento, assim como cada vez que as fiz.
Sou mais um servo do destino e mais um dono desta escolha.
Assim me surpreendo com quem sou.

Sem comentários: